Pantanal teve 14% do bioma queimado apenas em setembro e área devastada já é recorde histórico, diz Inpe

Área atingida no ano chega a quase 33 mil km², o que equivale à soma do território do Distrito Federal e de Alagoas. No acumulado em 2020, 26% de todo o bioma já foi consumido pelas chamas

Quatorze por cento da área do Pantanal foi queimada apenas em setembro deste ano, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O número já supera a área de todo o ano passado e é a maior devastação anual do território causada pelo fogo desde o início das medições, em 2002, pelo governo federal.

A área atingida no ano chega a quase 33 mil km², que equivale à soma do território do Distrito Federal e de Alagoas. No mesmo período do ano passado, a devastação causada pelo fogo chegava a 12.948 km². A devastação observada apenas nos primeiros nove meses deste ano já superam todo o ano de 2019, que teve 20.835 km² atingidos.

Antes do atual recorde, o ano com a maior área queimada era 2005, quando foram destruídos 27.472 km².

Segundo análise da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que é parceira do Inpe no monitoramento da área queimada, 26% de todo o bioma já foi consumido pelo fogo de janeiro a setembro.

Situação nos demais biomas

  • Pampa – As medições já apontam recorde de queimadas. Até setembro, foram destruídos 6.044 km². O recorde anterior, considerando o ano inteiro, era de 2003, quando foram queimados 2.488 km².
  • Amazônia – Se considerado apenas o acumulado entre janeiro e setembro, o bioma teve a maior perda de área desde 2010. Até setembro foram 62.311 km² de área destruída, contra 96.020 em 2010.
  • Caatinga – Houve redução nas queimadas. Elas destruíram 7.775 km² contra 12.443 km² em 2019 e 13.121 km² em 2018, no período entre janeiro e setembro.
  • Cerrado – Também houve diminuição em relação ao ano passado. Foram destruídos 102.390 km² até setembro deste ano contra 122.674 km² de janeiro a setembro do ano passado.
  • Mata Atlântica – A área destruída pelo fogo s se manteve estável. Foram 15.055 km² queimados neste ano, contra 15.020 no ano passado, considerando apenas dados acumulados até setembro.
  • Avanço do fogo no Pantanal

    O monitoramento do governo federal aponta ainda que setembro teve ainda o maior número de queimadas desde o início das medições em 2002. Foram 14.264 focos de calor detectados de 1º a 30 de setembro, mais de 120% maior que o mesmo mês no ano passado.

    De janeiro a setembro de 2020, o bioma teve 32.910 focos de queimadas. No mesmo período no ano passado, foram 6.476 focos de queimadas.

Compartilhar
Ninguém dirige nossa opinião. É por isso que o Página 12 luta para ser verdadeiro, sério e imparcial. Estamos determinados a fornecer um jornalismo que ajude cada um de nós a entender melhor o mundo e a tomar decisões que desafiam, unem e inspiram mudanças – mesmo em tempos de crise. Nosso trabalho não é possível sem nossos leitores. E, humildemente, dependemos do seu apoio financeiro para continuarmos o nosso trabalho. Sua ajuda nos mantém independente, aberto e isso significa que podemos manter nossas reportagens com qualidade - investigando, desembaraçando e interrogando. Toda contribuição por maior ou menor que seja, é tão valiosa para o nosso futuro.

Apoie a Página12

Comentar uma resposta

Por favor insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui